O último discurso

O último discurso

de “O Grande Ditador”

           Sinto muito, mas não pretendo ser um imperador. Não é esse o meu ofício. Não pretendo governar ou conquistar quem quer que seja. Gostaria de ajudar – se possível – judeus, o gentio… negros… brancos.

            Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo – não para o seu infortúnio. Por que havemos de odiar e desprezar uns aos outros? Neste mundo há espaço para todos. A terra, que é boa e rica, pode prover a todas as nossas necessidades.

            O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.  A cobiça envenenou a alma dos homens… levantou no mundo as muralhas do ódio… e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e os morticínios. Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

            A aviação e o rádio aproximaram-nos muito mais. A própria natureza dessas coisas é um apelo eloqüente à bondade do homem… um apelo à fraternidade universal… à união de todos nós. Neste mesmo instante a minha voz chega a milhares de pessoas pelo mundo afora… milhões de desesperados, homens, mulheres, criancinhas… vítimas de um sistema que tortura seres humanos e encarcera inocentes. Aos que me podem ouvir eu digo: “Não desespereis! A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia… da amargura de homens que temem o avanço do progresso humano. Os homens que odeiam desaparecerão, os ditadores sucumbem e o poder que do povo arrebataram há de retornar ao povo. E assim, enquanto morrem homens, a liberdade nunca perecerá.

            Soldados! Não vos entregueis a esses brutais… que vos desprezam… que vos escravizam… que arregimentam as vossas vidas… que ditam os vossos atos, as vossas idéias e os vossos sentimentos! Que vos fazem marchar no mesmo passo, que vos submetem a uma alimentação regrada, que vos tratam como gado humano e que vos utilizam como bucha de canhão! Não sois máquina! Homens é que sois! E com o amor da humanidade em vossas almas! Não odieis! Só odeiam os que não se fazem amar… os que não se fazem amar e os inumanos!

            Soldados! Não batalheis pela escravidão! Lutai pela liberdade! No décimo sétimo capítulo de São Lucas está escrito que o Reino de Deus está dentro do homem – não de um só homem ou grupo de homens, ms dos homens todos! Está em vós! Vós, o povo, tendes o poder – o poder de criar máquinas. O poder de criar felicidade! Vós, o povo, tendes o poder de tornar esta vida livre e bela… de faze-la uma aventura maravilhosa. Portanto – em nome da democracia – usemos desse poder, unamo-nos todos nós. Lutemos por um mundo novo… um mundo bom que a todos assegure o ensejo de trabalho, que dê futuro à mocidade e segurança à velhice.

            É pela promessa de tais coisas que desalmados têm subido ao poder. Mas, só mistificam! Não cumprem o que prometem. Jamais o cumprirão! Os ditadores liberam-se, porém escravizam o povo. Lutemos agora para libertar o mundo, abater as fronteiras nacionais, dar fim à ganância, ao ódio e à prepotência. Lutemos por um mundo de razão, um mundo em que a ciência e o progresso conduzam à ventura de todos nós. Soldados, em nome da democracia, unamo-nos!

            Hannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo – um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos!

EU SOU AMOR, CURA E PERDÃO

Segue a mensagem que me foi passada por nosso IRMÃO MARTHUS recebida nesta madrugada por volta de 2 horas da manhã:

  • MARTHUS – Guardião do Templo de Jade 

Descrição física:

 Aparentando uns vinte e poucos anos, cabelos curtos na cor castanha, olhos verdes, barba e bigode, alto, magro, vestia uma longa túnica na cor verde clara.

 Seu olhar transmitia um profundo amor e compaixão.

  • JADE:

 Local onde se encontra disposto o CRISTAL DE JADE (um enorme cristal de cor verde), este se encontra suspenso junto à câmara do cristal.

 JADE, assim como a cidade de Telos (ao que pude entender), é um importante centro de cura de nosso planeta e de nosso sistema solar, cura física e extra-física, sendo assim um importante centro de emanação de radiações de cura.

Mensagem:

 Curai-vos pelo AMOR e pelo PERDÃO!

 Curai-vos bebendo desse ELIXIR DE CURA chamado AMOR!

 Vossa cura procederá do viver no amor. Cada vez que vossos corações vibram no AMOR INCONDICIONAL estais vós procedendo com a cura, vossa cura e de nosso planeta!

 Quando um CORAÇÃO vibra no AMOR é como que se uma célula se regenerasse, ai então ocorre o “ponto de partida” para que este grande corpo chamado por vós planeta Terra seja curado.

 Outro balsamo de cura para vós e para nosso planeta se chama PERDÃO.

 O PERDÃO dissolve os impedimentos e bloqueios que não vos permitem manifestar o AMOR.

 Como disse o Grande Mestre do AMOR, nosso bem amado irmão Jesus quando da manifestação do CRISTO por seu intermédio: “AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO E VOS AMEI..”

 Somente quando perdoamos É QUE NOS ABRIMOS PARA O VERDADEIRO AMOR e assim verdadeiramente podemos amar uns aos outros.

 Curem primeiro a vós próprios vivendo e vivenciando o PERDÃO e o AMOR.

 Ai então, após vos curar, curem nosso planeta doando PERDÃO E AMOR!!!

 PERDOEM-SE, AMEM-SE, PERDOA TEU PRÓXIMO E AMA TEU PRÓXIMO!

 É somente pelo PERDÃO que o AMOR será despertado e manifestado, bem como é somente pelo AMOR que as sombras e sua feridas serão curadas.

 Acordai-vos o amados, já é tempo de cura!

 PERDOEM, AMEM E CUREM!!!

 “Vossa LUZ brilha para ao mundo iluminar”…

 O tempo do reencontro se aproxima!”

 EU SOU o AMOR, O PERDÂO E A CURA…

 EU SOU MARTHUS VOSSO IRMÃO!

Vosso Coração é o Caminho!

Não vos atemorizeis com os acontecimentos que vos são apresentados. Tudo faz parte das mudanças que vós e vosso planeta passam neste momentum.
Entramos num período de “quarentena”.
A Terra estará, de agora em diante, em um período de intensas transformações (Transmutação). O caos aparente ira cada vez mais se acentuar, porem tudo ira acontecer sob nossa supervisão.
Nada ocorre sem que estejamos no monitoramento.
Estamos a postos aguardando a Grande Hora!
Estejais todos vós preparados para tudo o que ocorrerá. Dentro de vós reside o conhecimento necessário, quando for à hora tudo vira a tona.
Aqueles que fazem parte do trabalho se aproximarão e estabelecerão as tropas dos Guerreiros da Luz Maior.
Estejais certos daquilo que vossos corações puramente dizei-vos, pois é a certeza que vos potencializara fazendo com que a Energia Crística se manifeste em vós e por vós.
Vosso Coração é o Caminho!

Mais instruções chegarão.
Força e Luz são vossa espada e vosso escudo!

EU SOU Ashtar Sheran!

Mensagem canalizada em 2009

Que a LUZ prevaleça!

 Manifestemos uma alternativa!A luta contra favorece exclusivamente o lado contrário!

 Lutas e confrontos só potencializam e não modificam o cenário.

 Criem em vossas vidas a mudança! Mudança em vossas casas, em vosso modo de ser, em vossas famílias e então instaurem a mudança em vós e no mundo.

 Não pensem que vossos esforços serão em vão, pois é no esforço individual que se iniciam as transformações.

 Vossos esforços atraírão coisas, pessoas, fatos e circunstâncias favoráveis para a realização do trabalho dos obreiros da luz.

 Façam, realizem e acima de tudo, não duvidem pois é a certeza que vos levara a realização completa.

 Ouçam a voz que pelo silêncio se faz ouvida, pois é por ela que o Mestre se faz ouvido.

 É diante da LUZ que as trevas são vencidas!

 Deixem vossas LUZES brilhar e como um farol na tempestade guiem o barco luminoso da GRANDE LUZ CRIADORA!

PAZ A TODOS OS QUADRANTES E CONFINS DO UNIVERSO E DESTE AMADO PLANETA AZUL.

EU SOU ASHTAR SHERAN

Mensagem canalizada em 30/06/2009 às 14h30min

Estejam conectados a Grande Presença!

 Convoco-vos, ó GUERREIROS DA LUZ MAIOR!Para que estejam todos preparados para o inevitável.

 Com vossos corações conectados ao Cristo e revestidos pelo manto violeta da transmutação, estejam prontos para a derradeira GRANDE HORA.

 Não vós precipiteis por meio do medo e da ansiedade pelo momento de.

 Orientações quanto, já lhe são passadas e aflorarão no momento certo em vossas mentes.

 De momento vos preocupeis em estar conectados a GRANDE PRESENÇA e firmes no amor incondicional.

 De agora até o Grande Momento saibam que minha proteção vos cobre e minha espada ao seu lado encontra-se disposta.

 Sigamem frente Trabalhadoresda Luz!Com grande confiança em vós me ponho a vosso lado!

 Eu Sou o que Sou!

Sou o GUERREIRO DA LUZ DIVINA,

Eu sou MIGUEL vosso irmão!

Mensagem canalizada no dia 21/09 às 18h22min.

EU SOU O QUE SOU,EU SOU ADAMA

 
 
 
EU SOU O QUE SOU, EU SOU ADAMA
 
 Não te preocupes com os medos, pois eles também são teus amigos.

Como o processo de Purificação da água, onde esta passa pelo processo de decantação, para que as impurezas subam à superfície para que, então, sejam “retirados” os medos e suas variantes, agora te são aflorados para tua Purificação.

Sede firme em teus propósitos e não desista de teus desejos e sonhos, pois estamos, há muito, te acompanhando e te preparando. Tua preparação, aos poucos, chega ao fim. Logo, logo, estarás pronto para o que cabe a ti.

Estamos sempre juntos, mesmo nos momentos em que te sentes só. A Luz nunca se separa de seus trabalhadores, assim como a Espada acompanha o Guerreiro.

Siga o Caminho do Coração e caminhe em direção do Amor. Estamos todos unidos, como células, formando um só corpo. Este corpo se chama Luz, nós e vós somos suas células.

Como te foi dito, forjado a ferro, para que, com o fogo o ferro seja temperado, ante suas altas temperaturas. Quando o ferro se transmuta e se torna aço, ele está pronto e a Espada pode ser feita: Poderosa, Precisa, Sábia e Forte.

Siga com Coragem e de cabeça erguida. Vista tua Armadura, pegue em tua Espada pois és um Guerreiro. Um de nós, assim como nós!

Somos um só corpo, como dissemos antes, com um único coração pulsante, pulsando amor incondicional.

Siga sem mais duvidar! Aceite e Seja!

Da Voz que ecoa em teu Coração, da Luz que ilumina teu Caminho… Diante, adiante, sempre em frente.

Eu sou o que Sou!

Eu Sou Adama.

 

15 de dezembro de 2010 – 00 horas e 31 minutos

SIGAM ADIANTE, MEUS IRMÃOS DA LUZ!

 

Aquilo que, há muito, é esperado acontecer, está prestes a começar. Sede precavidos dos acontecimentos que virão. 

A mudança tarda, mas não falha. Fatos assustadores já são vistos por vossos olhos carnais, buscai agora a Visão Interna e então sabereis como agir, de forma correta, no momento em que de vos for esperado. 

 

Vossa preparação encontra-se próxima de seu fim. Não vos preocupais, pois no momento devido, sabereis exatamente do que for necessário saber.

A dúvida, aos poucos, vem desocupando espaço em vossos Corações e a Certeza, aos poucos e naturalmente, vem ocupando o “local vago”.

Vossos irmãos remanescentes da Antiga Lemúria, hoje conhecidos como Telosianos, os que habitam o centro da Terra, aguardam o momento para o qual manterão contato com vós. A hora se aproxima, as vozes se calam e a certeza em vossos corações começa a falar mais alto.

Tudo ocorre seguindo a Vontade Maior, tudo ocorre de acordo com a Lei Maior, chamada Amor.

Não vos atemorizeis nem tampouco vos preocupeis, pois como já foi-lhes dito, estamos com vós nesta jornada rumo a um Novo Nível Consciencial e evolutivo de vós e de vosso planeta.

Vós que sois os Embaixadores da Missão do Amor e que, assim como nós, fazem parte dos Trabalhadores da luz, logo terão Consciência total de Quem Sois e Do Que fazem parte.

Sigam em frente, lado a lado conosco, para que seja concretizado o Plano Maior sobre vosso Planeta Azul, ao qual chamamos de Shan.

Da Luz e do Amor, com a Certeza, sigam adiante, queridos Irmãos da Luz.

Mais orientações lhes serão enviadas.

 

Em nome do Grande Comando, Eu Sou Ashtar Sheran.

30 de agosto de 2010 – 16 horas e quarenta minutos

 

MESTRE HÉLIO GRACIE E O BRAZILIAN JIU-JÍTSU

A família Gracie chegou ao Brasil em 1870 pela pessoa de James Gracie, escocês que se estabeleceu como banqueiro na cidade do Rio de Janeiro.

Gastão Gracie um dos filhos de James Gracie retornara de seus estudos na Europa (Alemanha), e ingressou no corpo diplomático brasileiro, designado para um consulado na América Central embarcou em um Navio rumo ao seu destino.

O navio fez uma escala em Belém do Pará e Gastão Gracie foi visitar a cidade, entrou em um baile e encontrou Cislane Pessoa, jovem da sociedade local que lhe pareceu bem mais interessante que os negócios do Estado. Gastão não voltaria nunca mais ao navio ou a diplomacia.

A História começava a escrever o destino do homem que viria imortalizar uma arte de nome JIU-JITSU e dar vida a um esporte de nome Vale-Tudo que mais tarde passaria a se chamar também MMA ( Mixed Martial Artes) que se tornaria 80 anos depois em um negocio bilionário e de muito sucesso.

A história abaixo conta a vocês como tudo isso foi possível, como um adolescente frágil e fraco que fora proibido pelos médicos da pratica do esporte se tornou o percussor desse fenômeno que è hoje o JIU-JITSU e o VALE TUDO

Gastão apaixonado pela bela jovem Cearense Cislane Pessoa casou-se com ela e, estabeleceu-se em Belém como importador de minério.
Gastão teve cinco filhos, Carlos, Oswaldo, Gastão Filho, George e Hélio.

Em 1922 Mitsuyo Maeda, mais conhecido como Conde Kooma, foi enviado ao Brasil em missão diplomática com o objetivo de receber imigrantes japoneses e fixá-los no Brasil. Ele preferiu fixar residência em Belém do Pará, por se tratar do porto mais próximo de viagens procedentes do Pacífico.

Conde Kooma era campeão mundial de judô e excelente lutador de Jiu-Jítsu, ao chegar ao Brasil, possuía graduação faixa preto sexto Dan. Kooma pesava 75kg e tinha 1.60m de altura. Mestre Koma aceitou desafios de qualquer modalidade, vencendo um a um com muita facilidade. Como não tinha boa profissão começou a ensinar Jiu-Jítsu a pedidos de amigos.

Conde Kooma passou a ser amigo de Gastão Gracie, que o ajudava sempre. Conde Kooma acompanhou a preocupação de Gastão com a turbulência dos filhos sempre metidos em brigas de ruas, principalmente Carlos,então com dezesseis anos e uma inesgotável capacidade de se meter e provocar confusões. Então Kooma observando o garoto, viu nele um potencial de campeão e passou a lhe ensinar o Jiu-Jítsu.

“Revista Faixa Preta: Como o jiu-jítsu foi introduzido no Brasil?
Hélio Gracie: Meu irmão Carlos, no Pará, foi aluno do japonês Conde Kooma, amigo do meu pai que era uma pessoa influente e, por sua vez ajudava o japonês, que por gratificação dava aulas de jiu-jítsu para meu irmão. Depois que meu avô morreu e minha família veio para o Rio. Foi assim, que o Carlos começou a dar aulas na Rua Marquês de Abrantes, onde foi à primeira academia, em 1925.
Entrevista com Hélio Gracie realizada pela revista Faixa preta em agosto de 2006)

  • O Jiu-Jítsu começa crescer no Brasil e a historia continua a escrever o destino do grande mestre Helio Gracie

Em 1925 a família Gracie muda-se para o Rio de janeiro, então com 28 anos Carlos Gracie abre sua primeira academia de Jiu-Jítsu no Brasil, no bairro do Flamengo. Carlos Gracie desenvolveu um esquema de marketing brilhante para atrair a atenção à sua academia. Ele lançou o que era conhecido como o “Gracie Challenge”.

Como ele dizia, “tenho que fazer algo para chocar as pessoas”.
Ele lançou o “Gracie Challenge” através de um anuncio nos principais jornais do Rio de Janeiro. Este anuncio trazia uma foto de Carlos Gracie, informações de sua academia, e dizia: “se você quer um braço quebrado contate Carlos Gracie neste número”, desafiando a outros lutadores. Estes desafios serviam para os Gracies promovessem sua luta, mostrando que podiam derrotar a qualquer adversário, não importando a arte-marcial que praticasse, em combates conhecidos como Vale-Tudo. Assim Carlos Gracie, seguido de seu irmão Hélio, mesmo sem saber, estava resgatando o Mixed Martial Arts, trazendo-o de volta ao cenário das lutas e combates no mundo ocidental. Estes combates de Vale-Tudo assemelhavam-se as lutas de Pankration da Grécia antiga, e além dos Gracies, participaram destes combates representantes de várias escolas de karate, boxeadores profissionais, Campeões de capoeira, e vários outros que tentavam provar que eram melhores do que os Gracies.
Texto retirado do site http://www.danielgracie.com

Hélio devido a sua enfermidade (ele sofria desmaios frequentemente), porem ficava dias inteiros apreciando o irmão. Acabou por aprender sozinho os movimentos de combate, simulando e praticando contra arvores e objetos.Até que um dia Carlos se atrasou e Hélio acabou dando a aula em seu lugar. Os alunos gostaram tanto que alguns pediram a Carlos que se possível passassem a ter aulas somente com Hélio. Hélio Gracie então virou professor.

“RFP: O senhor se considera um bom observador?
HG: Bom, isso eu sempre fui. Tudo o que eu aprendi na vida eu aprendi observando. Por isso eu não dou aula para ninguém com alguém assistindo, porque eu acredito mais em que vê do que em quem faz. De maneira que, confiando nisso, eu passei a fazer a coisa com perfeição. E fui descobrindo as alavancas que todos nós temos. A necessidade que fez isso. Quer dizer, eu não fiz por inteligência e nem genialidade. Os japoneses acham que sou um gênio. Mas não sou nada, sou até burro em certas horas.

(Entrevista com Hélio Gracie realizada pela revista Faixa preta em agosto de 2006.)

Depois da morte de Conde Koma Carlos então passou a ensinar a arte do Jiu-Jítsu a seus outros irmãos, como forma de homenagear seu mestre e também para que o Jiu-Jítsu não morresse. Carlos desenvolveu novas técnicas sem fugir dos fundamentos da luta que aprendera com mestre Conde Koma. Carlos ensinou a Hélio Gracie toda sua técnica. Porém Hélio Gracie è considerado o criador do Gracie Jiu-Jítsu.

  • A historia cumpre sua parte e o destino encarregava de levar ao sucesso o homem que nasceu predestinado para ser o precursor da nobre arte suave e o Vale tudo:

Devido ao seu físico franzino, Hélio precisou desenvolver uma técnica própria baseada em alavancas e movimentos sutis, Hélio nunca se cansava, ele era incansável, não se cansava por usar a força e sim por usar a técnica transformando o Jiu-Jítsu em mais agressivo e letal.

Começava então os desafios, Hélio transformara em um lutador imbatível, com apenas 60 kg começava a fazer historia. Porém o vale tudo começou com seu irmão George Gracie ao derrotar o mais forte homem do Rio de Janeiro, Tico Soledade, campeão absoluto de levantamento de peso e queda de braço, além de ser conhecido por sua valentia e violência. Mestre Carlos Gracie passou então a ser “manager” dos irmãos, era ele quem dizia com quem Hélio deveria ou não lutar.

“Com extraordinário Talento e persistente, para compensar os seus franzinos 60 quilos, Hélio Gracie aperfeiçoou a técnica a ponto de torná-la praticamente imbatível, dando origem no que hoje é mundialmente conhecida com jiu-jítsu brasileiro.
Aos 16 anos, na sua primeira luta em público, venceu em 30 segundos o então campeão brasileiro de boxe, Antônio Portugal.
Com 18 anos, derrotou o vice-campeão mundial de vale-tudo, Fred Ebert. Venceu em quatro minutos, o campeão de capoeira Caribé, que desafiara através da imprensa. Enfrentou e venceu, sem descanso entre as lutas, doze fuzileiros navais escolhidos entre os mais fortes de toda a corporação. O mais leve pesava 90 quilos. O japonês Massagoishi, campeão de sumô, que tinha o dobro do tamanho de Hélio Gracie, foi por ele derrotado em menos de cinco minutos.

Texto retirado do projeto de resolução de autoria do deputado José Amorim que concedeu a medalha Tiradentes a Hélio Gracie ”

Helio Gracie começou derrotando Antonio Portugal e Takashi Namiki com apenas 17 anos Hélio já ganhava destaque com suas vitorias, foi na luta contra o americano Fred Albert que pesava 98 kg,vice campeão mundial de Luta – Livre e que tinha empatado com Jimmy London,um dos mais famosos lutadores dos USA em vale-tudo.A luta foi no estádio de são Cristovão e sem regras.A luta foi interrompida pela polícia,porém Helio venceu embora o oponente não tivesse caído e nem desistido.Os jornais da época(o Globo,A Noite e Anoticia)chegaram a dar a primeira página para Hélio Gracie.

  • Corram que a polícia vem aí!!! Hélio Gracie  VS  Fred Ebert


“Após lutar contra Antonio Portugal e Takashi Namiki, Hélio Gracie enfrentou o gigante Fred Ebert, que tinha no seu currículo mais de 600 lutas e um empate contra o campeão mundial de luta – livre Jim London. Hélio tinha apenas 60 Kg e ainda por cima lutou com um enorme furúnculo no pescoço. Após 1 hora e 50 minutos de luta a polícia apareceu no ginásio e interrompeu a luta. “Havia uma lei que proibia que qualquer espetáculo público continuasse sendo realizado após as 2 horas da manhã” Hélio levava vantagem na luta e arrancava aplausos do público a cada soco que desferia no rosto do americano que pesava 38 kg a mais que Hélio. O saldo foi bem negativo para Fred Ebert, que precisou ir direto para o hospital após a luta”
(Agradecimento especial à Revista Gracie Magazine)

“Texto retirado do site do Magapi(www.magatown.br)

Com tanta divulgação Hélio Gracie já era reconhecido e saudado nas ruas, Hélio se tornara então no maior mestre de Jiu-Jítsu. Apesar disso tudo, havia ainda os que duvidavam da eficácia do Gracie Jiu-Jítsu, sendo até acusados em público de farsantes, alegando que suas lutas eram todas armadas. Em uma ocasião Hélio chegou a quebrar os braços e algumas costelas do acusador, acabou que foi preso por isso, sendo logo solto por indulto do então presidente Getúlio Vargas.

Enquanto o desafio dos Gracies aos outros lutadores se espalhava pelo Rio, o público prestigiava cada vez mais estes combates. Como conseqüência começou a ser realizados em grandes estádios de futebol, onde multidões eram cada vez mais atraídas para assistir a estas lutas. Uma das primeiras destas lutas foi o desfio entre Hélio Gracie e o campeão Brasileiro Peso Leve de Boxe Antônio Portugal. Apesar de mais novo, menor e muito mais leve, Hélio venceu o combate em menos de 30 segundos, elevando-se ao status de herói nacional.
Texto retirado do site http://www.danielgracie.com

Hélio Gracie já famoso continuava a fazer desafios e colecionar vitorias entre os anos 30 E anos 40 Hélio derrotou todos os adversários que surgiram em sua frente, especialmente mestre de outras lutas, acabando assim causando certo prejuízo social dentro do esporte, pois Hélio falava mal das outras lutas, dizendo que só o Jiu-Jítsu prestava.

“RFP: Como foram os desafios que o senhor fez para provar a eficiência do jiu-jítsu?
HG: Eu sempre tive o temperamento belicoso. O que acontece é o seguinte: eu via um cara famoso e desafiava. Eu queria pagar para ver, compreende? Eu queria saber se era ou não era. Eu desafiava o sujeito não, necessariamente, por estar contra ele e sim para me testar.”

(Entrevista com Hélio Gracie realizada pela revista Faixa preta em agosto de 2006.)

A academia dos Gracies comandada pelo mestre Carlos Gracie e como professor Hélio Gracie, no futuro os instrutores Carlson Gracie, João Alberto Barreto, Robson Gracie, Armando Vriedt e Helio Vigio também dariam aulas. A sede ficava na Avenida Rio Branca. tinha uma organização impecável e em mia,dois mil alunos.

O que chamava a atenção era o fato de haverem muitas aulas particulares e também de o aluno ao pagar a mensalidade ter direito ao Kimono que lhe era entregue no ato da matrícula,sendo lavado e entregue em todas as aulas num cesto,pelo roupeiro,mediante ao seu cartão de identificação,sem o qual o aluno não poderia frequentar as aulas,inclusive ajudando no controle de pagamentos das mensalidades.Isso mostra o quanto eles levavam a sério o negócio.

E para não se confundir com o judô,não havia graduações de faixa. O aluno era faixa branca, o instrutor faixa azul escuro, e o mestre, azul clara. A infraestrutura era tão boa que ainda havia um segundo andar com fisioterapia e enfermaria para tratar eventuais contusões. Varias personalidades como o então futuro governador do Rio de Janeiro, Carlos Lacerda e o presidente João Batista Figueiredo foram alunos da academia Gracie.

Hélio Gracie seguia sua rotina de vitorias e desafios, famoso e já um ídolo, era sempre reconhecido nas ruas. Os Vale-Tudo que participava eram muito violentos, não havia tempo nem interrupções das lutas.Elas só terminavam com a desistência de um dos lutadores,ou seja o esporte existia mais ainda não havia regras claras,nem organização,eram verdadeiras maratonas com duração de até quase 4 horas!!!.

Quanto mais o Jiu-Jítsu se elevava na mídia, mais surgiam indivíduos de outras modalidades de lutas querendo desbancar o Gracie Jiu-Jítsu. Além de Hélio grande campeão e manchete de todos os grandes jornais da época,alguns de seus alunos também participaram e venceram alguns vale-tudo.Geralmente as lutas de seus alunos eram preliminares as do Hélio Gracie.Apareceram muito lutadores com a pretensão de desbancar Hélio,alvo preferido dos desafiantes.

“RFP: Como era naquela época a divulgação da imprensa em cima do Hélio Gracie?
HG: Eu fui o homem mais famoso que esse país já produziu. Nunca houve, no Brasil, alguém que tivesse a minha projeção. Eu fui a pessoa que mais saiu na primeira página do jornal O Globo em um retrato inteiro. Nunca alguém havia conseguido isso. Para comprovar o que estou falando, é só verificar no museu que meu filho criou, em Los Angeles, nos Estados Unidos.”

(Entrevista com Hélio Gracie realizada pela revista Faixa preta em agosto de 2006.)

Começaram então a aparecer lutadores japoneses e todos apanhavam.Um jornal de São Paulo o “ Nippakshimbu” destacava tudo, e todas as colônias japonesas no Brasil exigiam que o Japão mandasse o melhor para acabar com a hegemonia de Hélio Gracie e do Gracie Jiu-Jítsu.Então em 1951 o mestre Kimura, penta campeão do mundo e japonês de judô,também faixa preta sétimo dan,acompanhado do vice-campeão Kato,quinto dan.Kimura quando viu Hélio disse que não lutaria com ele por achá-lo muito fraco.Então colocou Kato para desafiar Hélio Gracie.

Kato e Hélio lutaram no Maracanã, no inicio de setembro de 1951.A luta terminou empatada.Hélio lutou com uma costela quebrada devido a um acidente.No final do mês de setembro, Hélio tornou a enfrentar kato,desta vez no Pacaembu em São Paulo. Helio venceu a luta por estrangulamento logo no segundo round,sendo kato apagado por este golpe.

MESTRE BIMBA E A CAPOEIRA REGIONAL

  • A Vida

Mestre Bimba (Manuel dos Reis Machado) filho de Luiz Cândido Machado e Maria Martinha do Bonfim, nasceu no bairro de Engenho Velho, freguesia de brotas, Salvador Bahia em 23 de novembro de 1900. Recebeu esse apelido devido a uma aposta que sua mãe fez com a parteira que o ” aparou ” .  Ao contrário do que a Mãe achava, a parteira disse que iria nascer um menino, se fosse receberia o apelido de “Bimba” pôr se tratar, na Bahia, de um nome popular do órgão sexual masculino.

  • A Prática

Começou a praticar capoeira aos 12 anos de idade na estrada das Boiadas, hoje o Bairro Negro da Liberdade, com o africano Bentinho, capitão da navegação Baiana. Foi estivador durante 14 anos e começou a ensinar capoeira aos 18 anos de idade no Bairro onde nasceu no “Clube União em Apuros”. Até 1918 não existia academias como hoje e treinava-se nas esquinas, nas portas dos armazéns e até no meio do mato.

  • O Surgimento da Regional

Consideramos ineficaz e muito folclorizada a capoeira da época, devido ao fato de os movimentos eram extremamente disfarçados, mestre Bimba resolveu desenvolver um estilo de capoeira mais eficiente, inspirando-se no antigo “Batuque” (luta na qual seu pai era um grande lutador, considerado até um campeão) e acrescentando a sua própria criatividade, introduziu movimentos que ele julgava necessário para que a capoeira fosse mais eficaz. Então em 1928, mestre Bimba criou o que ele denominou “Capoeira Regional Baiana” por ser esta praticada única e exclusivamente em Salvador.

  • O Reconhecimento da Capoeira no Brasil

A partir da década de 30, com a implantação do Estado Novo, o Brasil atravessou uma fase de grandes transformações políticas e culturais, onde os ideais nacionalistas e de modernização ficaram em evidência.Nesse contexto, surge a oportunidade de Mestre Bimba fazer com que o seu novo estilo de capoeira alcançasse as classes sociais mais privilegiadas.

Em 1936 fez a 1º apresentação  do trabalho e no  ano seguinte foi  convidado pelo governador da Bahia,o General Juracy Magalhães, para fazer uma apresentação do palácio do governador onde estavam presentes autoridades e convidados, inclusive o presidente da época que gostou muito da apresentação.

Dessa forma a capoeira é reconhecida como “Esporte Nacional” Mestre Bimba foi reconhecido pela Sec. Ed. Ass. Pública ao estado da Bahia como Professor de Educação física e sua academia foi a 1ª no Brasil reconhecida por Lei.

  • A diferença

O que faz com que Mestre Bimba se destacasse do demais capoeiristas de sua época, é que ele foi o  1º  a  desenvolver um sistema de ensino e a ensinar em recinto fechado. Além desse sistema , ele elaborou  técnicas  de  defesa Pessoal até mesmo  contra armas . Mestre Bimba preocupava-se demais com a imagem da  Capoeira, não permitindo  treinar  em sua academia aqueles que não trabalhavam nem estudavam.

  • A Morte

Em 1973, Mestre Bimba, por motivos financeiros, deixou a Bahia, sob acusação de que os “Poderes Públicos” Jamais haviam o ajudado. Faleceu em Fevereiro de 1974 em Goiânia, vítima de um derrame cerebral.

  • Antigo Método de Treinamento de Bimba

Mestre Bimba desenvolveu o 1º método de ensino que vemos a seguir como ele funcionava:

1) Exame de admissão

Dizia-se que em outros tempos, Mestre Bimba aplicava uma “Gravata” no pescoço do indivíduo que quisesse treinar e dizia “Agüenta ai sem chiar”, Se agüentasse o tempo que ele mesmo determinava estaria matriculado. Mestre Bimba justificava esse critério dizendo que só queria macho em sua academia. Mais tarde mudou os critérios, Submetendo o Candidato a fazer alguns movimentos para que ele pudesse avaliar se o pretendente tinha condição ou não para praticar a capoeira regional. A próxima fase seria aprender a “Seqüência de Ensino”.

2) O Aprendizado

O aluno nesse fase aprendia o que se chamava “Seqüência de Ensino” que eram as oito seqüências de movimentos de ataque, esquivas e contra ataque destinadas somente aos iniciantes, simulando as situações mais comuns que o aluno enfrentaria durante o jogo de capoeira.

*Observação:

Esse foi o 1º método de ensino criado para ensinas alguém a jogar capoeira e o calouro treinava essas seqüências em  duplas sem o acompanhamento dos instrumentos. Quando estas estivessem bem decoradas o Mestre dizia: “Amanha você vai entrar no aço, no aço do Berimbau”.

Era comum naquele tempo dizerem que o capoeirista quando agarrado, não tinha como reagir.  Então mestre Bimba, com sua criatividade ensinava seus alunos quais eram as melhores saídas.Todos esses ensinamentos faziam com que o método de mestre Bimba fosse incomparável e esse treinamento durava cerca de 3 meses só então é que o aluno seria batizado.

3)O Batizado

O batizado era quando o aluno jogava pela 1ª vez na roda com o acompanhamento dos instrumentos que era formado por 1 berimbau e 2 pandeiros. O mestre escolhia o formado que jogaria com o calouro e então tocava o toque que caracteriza a capoeira regional, para isso o calouro era colocado no centro da roda para que o formado ou o próprio mestre desse um apelido a ele. Escolhido o “nome de guerra” todos aplaudiam e então o mestre mandava o calouro pedir a “Benção” do padrinho, e ao estender a mão para o formado que o batizou, receberia uma “Benção” (Golpe frontal dado com a parte inferior do pé empurrando o adversário na altura do peito) que o jogava no chão.

Era necessários pelo menos, 6 meses de treino para se formar na Capoeira Regional. O exame era realizado em 4 domingos seguidos, no Nordeste de Amaralina, academia do mestre, os alunos a serem examinados eram escolhidos por ele. Durante 4 dias os alunos eram submetidos a algumas situações onde teriam que mostrar os valores adquiridos durante a fase de aprendizado, como por exemplo: força, reflexo, flexibilidade e etc. No último domingo é que o mestre dizia quem havia sido aprovado e então ensinava novos golpes e também marcava o dia da formatura.

4)A Formatura

A cerimônia iniciava com uma roda de formados antigos para que as madrinhas e os convidados pudessem ver o que era a Capoeira Regional. Mestre Bimba ficava ao lado do som, que era formado por 1 Berimbau e 2 pandeiros, comandando a roda e cantando as músicas características da Regional.

Terminada a roda, o mestre chamava o orador que geralmente era um formado mais antigo para falar um breve histórico da Capoeira Regional e do mestre.

Após o histórico, o mestre entregava as medalhas aos paraninfos e os lenços azuis (Graduação dos Formados) as madrinhas.O paraninfo colocava a medalha ao lado esquerdo do peito do

Formado e as madrinhas colocavam os lenços nos pescoços dos seus respectivos afilhados. A partir dai os formados demonstravam alguns movimentos a pedido do mestre para mostrar a sua competência, incluindo os movimentos de “cintura desprezada”, “jogo de floreio” e o “escrete” que era o jogo combinado com o uso dos Balões.

Para terminar, chegava a hora do “Tira-medalha” onde o recém formado jogava com um formado antigo que tentava tirar a sua medalha com qualquer golpe aplicado com o pé. Só então depois de passar por isso tudo é que o aluno poderia se considerar aluno formado de mestre Bimba, tendo direito até de jogar na roda quando o mestre estivesse tocando Iuna que é o toque (onde quem joga hoje são só os mestres) criado por ele para esse fim. A partir daí só restava o curso de especialização que veremos a seguir.

5)O Curso de Especialização

Tinha duração de 3 meses, sendo 2 na academia e 1 nas matas da Chapada do Rio Vermelho.

Tratava-se de um treinamento de guerrilha, onde aconteciam as emboscadas, armadilhas e etc., que consistia em submeter o formado a situações das mais difíceis, desde defender-se de 3 ou mais Capoeiristas, até defender-se de armas. Terminado o curso, o mestre fazia a mesma festa para os novos especializados, e estes recebiam o lenço vermelho a cor que representava a nova graduação. O aluno que se formava ou se especializava, tinha a o dever de pendurar um quadro com a foto mestre, do padrinho, do orador, e a própria foto.

“Mestre Bimba realmente foi o grande “propulsor” da Capoeira no Brasil mas , muitos dos métodos citados acima não são mais usados na verdade grande parte deles nao existe mais a muito tempo mas, foram muitos úteis. Para todos os  Capoeiristas só resta dizer: Muito obrigado ao Mestre Bimba.”

CHOI YONG SUL E O HAPKI DO(합기도)

Choi Yong Sul nasceu em 1904, em Yong Dong, na província de Chungcheongbuk-do (ou Chung Buk, como antigamente era conhecida), Coréia, sendo levado como escravo (servente) para o Japão em 1912. Depois de diversas dificuldades (existem histórias controvesas sobre esta fase da vida de Choi), foi abandonado em um Templo Budista e, aos 11 anos, foi entregue ao Sokaku Takeda para desempenhar tarefas domésticas na su casa. Takeda deu-lhe o nome de Yoshida Asao ou Yoshida Tatujutu, e o manteve a seu serviço até 1946, logo após a guerra, quando Choi teve a oportunidade de voltar pra Coréia. Ao seu regresso, continuando com as dificuldades (existem histórias ainda mais controversas sobre esta fase da vida de Choi), ele estabeleceu-se em Taegu, onde iniciou o ensino do Yawara (nome freqüente dado ao Ju Jitsu no Japão da época) ou Yu Sul (pronuncia coreana do termo Ju Jitsu), até 1986, quando morreu aos 82 anos. O Doju Kim Yun Sang foi o único aluno que acompanhou a evolução técnica da Arte transmitida por Choi Yong Sul, até a sua morte.

Outro Mestres emigraram para o exterior (principalmente USA) e modificaram profundamente o Hapkido original, acrescendo mais Tekyon e, principalmente, técnicas de Si Pal Ki (técnica chinesa), com lógica e dinâmica totalmente opostas ao Yusul de Choi (incluído o uso de roupas extravagantes e uso intenso de armas chinesas). O resultado tem sido de qualidade duvidosa, na maioria das vezes. Diversos outros Mestres, fundadores de Artes Marciais modernas, como, por exemplo, Morihei Uyeshiba do Aikido e Doshin So do Shorin Ji Kenpo, também estudaram com Takeda. De fato, em Hanja / Kanji, a palavra Hapkido (Coreano) é Aikido (Japonês) são formas diferentes de pronunciar os mesmos ideogramas (合氣道); ou seja, são a mesma palavra. Da mesma forma, Hapkiyusul é a fonetização Coreana da palavra Aiki Ju Jitsu, em Japonês, utilizada por Takeda para nomear a sua Arte.

No entanto, o caminho tomado por Uyeshiba na modificação da técnica do Ju Jitsu original é bastante diferente ao conteúdo técnico do Hapkiyusul transmitido por Choi Yong Sul na Coréia, que manteve a sua contextualização Marcial original, acrescido de algumas técnicas de chute derivadas do Taekyon (limitadas e, em geral, baixas). Essa combinação foi denominada como Yu Kwon Sul (유권술 em Hangul e 柔拳術 em Hanja) ou Hapkiyukwonsul ( 합기유권술 em Hangul e 合氣柔拳術 em Hanja)

O nome Hapkido (합기도 em Hangul e 合氣道 em Hanja) foi utilizado só mais tarde, em 1963, tal vez criado por Ji Han Jae, o discípulo de Choi que, junto com Kim Mu Hyong, acresceu as técnicas de chute do Taekyon, sendo um dos grandes divulgadores desta forma modificada de Hapkisul, hoje conhecida no Mundo como Hapkido. No entanto, como já mencionado acima, Doju Nim Choi não ensinava esta forma modificada, sendo que a forma original do Yusul foi mantida por poucos Mestres e foi pouco divulgada no Ocidente.

Dada a personalidade difícil de Choi Yong Sul, ele deixou poucos discípulos diretos praticando a sua técnica original, sendo que os seus discípulos tomaram caminhos separados .

Ainda, existem diversas versões do Hapkido “moderno” criadas por vários desses discípulos, foram acresidas com técnicas de Si Pal Ki (derivado do estilo Tantui Chinês), complementando técnica da Arte original ensinada por Doju Nim Choi e que, através de Sokaku Takeda, recebera da linhagem de guerreiros fundada por Yoshimitsu Minamoto no Século XI, como complemento das técnicas de esgrima da casta Samurai do Japão.

GENERAL CHOI E O PODEROSO TAE KWON DO(태권도)

O PODEROSO TAEKWONDO MILITAR DO GENERAL CHOI HONG HI

A grande e absoluta maioria dos mestres pioneiros enviados pelo Gen. Choi Hong Hi ao mundo afora para divulgar a arte na década de 60 e 70; serviram no Exército sul coreano onde praticaram e tornaram-se instrutores, do poderoso e eficiente Taekwondo militar do Gen. Choi, pois na década de 50 o Pres. Rhee (1875-1965) após assistir uma demonstração da arte comandada pelo próprio Gen. resolveu tornar obrigatório a prática para todos os militares, sendo então criada a 29ª Divisão de Infantaria pelo Gen. Choi como a Divisão responsável pelo treinamento da arte nas Forças Armadas da República da Coréia.

O n° 29 tinha o seguinte significado: o 2 representava a Divisão da Península e o 9 representava o punho do Gen. E como símbolo desta, Choi colocou o desenho de seu punho na bandeira desta Divisão. Todos os militares com alguma experiência em Artes Marciais foram chamados para formarem esta famosa Divisão, posteriormente militares com experiência em artes marciais e que estavam servindo em outras Unidades eram transferidos para esta Divisão, inclusive faixas coloridas e também faixas pretas recebiam um treinamento intensivo técnico e físico, muito bem planejado e também muito rigoroso, pois nesta Divisão a disciplina, organização e dedicação eram muito mais enfatizadas tudo isto era fielmente seguido a risca, portanto sempre havia muito empenho dos praticantes justamente no intuito de aumentar o seu respectivo nível (gub) para os faixas coloridas ou dan para os faixas pretas, então eram enviados para treinarem outras Divisões, quando era esgotado o seu manancial de técnicas, eles então retornavam a 29ª Divisão para aumentarem seus conhecimentos ou seja receberem treinamentos de aprimoramento e evolução. Portanto era feito um rodízio de equipes de instrutores no treinamento dos militares das Forças Armadas Sul Coreanas, inclusive com equipes de novos peritos. Eventualmente uma equipe de instrutores de elite, chamados de “Instrutores de Taekwondo para recrutas” eram colocados em diferentes Divisões para ensinar a arte do Gen. Um dos fatos mais pitorescos, foi a específica ordem do Gen. aos militares desta Divisão. Durante as aulas (treinamentos) no Ginásio, todo aluno tinha de saudar o instrutor (baixar a cabeça) independente da graduação militar, fora do Ginásio a saudação militar (continência) prevalecia a hierarquia. Anos mais tarde estes instrutores de elite, vieram em grande nº justamente através do serviço militar compulsório. O melhor dos diferentes estilos de TKD como Tang Soo Do, Karatê e outros estilos duros, juntavam-se no Exército. Peritos de alto nível com grande experiência e altas graduações eram testados, selecionados e designados, como oficiais para ensinar (o estilo militar do Gen. Choi. O TKD Oh Do Kwan) para os militares das Forças Armadas. Eventualmente sob o serviço militar compulsório de 3 anos na Coréia, cada soldado foi apresentado ao estilo de TKD do Gen. Choi.

No Exército, o Karatê coreano de vários estilos foi unificado no Taekwondo do Gen. Choi. Os melhores instrutores dos diferentes estilos uniram-se e aperfeiçoaram as técnicas assim estabelecendo em um único estilo tudo o que tinham pesquisado, estudado e praticado. Mais tarde isto perpetuou-se em uma arte marcial muito efetiva. Implementação de novas técnicas ou a eliminação de velhas técnicas eram feitas de uma maneira muito rápida e prática. Uma simples ordem do comando superior teria a nova técnica ensinada no mesmo dia ou as vezes no próximo dia sem qualquer contestação. Foram emitidos manuais de TKD militar para padronizar os diferentes estilos em um único. A combinação de exercícios militares, táticas de combate na guerra, com a arte marcial tornou a Divisão ainda mais superior e famosa, a única entre todas as Divisões do Exército sul coreano . Eles estavam totalmente aptos, prontos, habilitados a lutar qualquer momento , com ou sem armas.

Na 29ª , instrutores de TKD de altas graduações os quais também eram peritos em outras artes marciais como Hapkido e Judo treinaram seus colegas com o puro TKD e também ensinando as melhores, mais práticas, eficientes e efetivas técnicas de suas outras respectivas artes, principalmente no combate a curta distância, como chaves, imobilizações etc. Era a arte marcial na sua pura essência, inclusive desenvolveram novas técnicas no sentido de superar aos outros estilos de TKD de não militares. O estilo militar evoluiu para um único estilo, inclusive com uma ampla gama de técnicas complementares desenvolvidas para o combate livre, além do extraordinário preparo físico, onde era praticado exaustivamente a força, precisão, resistência, flexibilidade, velocidade, noção de distância na luta, também era muito praticado: técnicas de desarme da faca (punhal), desarme de revólver e pistola, técnicas de fuzil com baioneta, inclusive luta contra 2, 3 . Estas técnicas também incluíam defesa pessoal básica e avançada, quebramentos, saltos, equilíbrio, interceptação de chutes, contra-ataques, quedas, arremessos, técnicas com bastão , rasteiras, pontos de pressão mais outros movimentos secretos (como pontos vitais) para instantaneamente matar ou ferir. Seu lema “Um golpe, uma morte.”

Os melhores dos melhores instrutores no Exército tinham catapultado o estilo do Gen. Choi em um dos melhores estilos de Taekwondo. Cada instrutor no Exército, vindos dos diferentes estilos do Karatê coreano, contribuíram muito para o crescimento do TKD do Gen. Choi. Isto é a principal razão provável de que os antigos instrutores da ITF, vindos do Exército sul coreano, assim como seus seguidores ainda permaneçam como os melhores instrutores de Taekwondo hoje em dia. Dois dos maiores e mais conceituados mestres em todos os tempos, os lendários mestres Nam Tae Hi e Han Cha Kyo (1934-1996) , também foram instrutores iniciadores desta famosa Divisão, os quais posteriormente demonstraram o TKD no Vietnã em 1959 e posteriormente o ensino regular em 1962 neste país.

Peritos de alto nível selecionados para o Exército enquanto ainda estavam na ativa também foram enviados para o mundo afora para treinarem militares de nações não comunistas; a missão mais importante de todas foi durante a Guerra do Vietnã, onde eles treinaram cerca de 50.000 homens, ou seja: Tropas sul coreanas, Unidades militares do Exército sul Vietnamita e os famosos Boinas Verdes das Forças Armadas norte americanas. Choi Hong Hi tinha unificado outros estilos de TKD no seu próprio estilo militar coreano, tinha enviado delegados praticamente para todo o mundo, tinha colhido a nata do que tinha plantado, ou seja instrutores do mais alto nível, e uma formidável arte marcial tinha sido consolidada. O extraordinário preparo, a eficácia, eficiência e poderio da arte tinha sido comprovada durante a guerra do Vietnã nos terríveis campos de batalhas pelos soldados coreanos, as técnicas usadas no Exército eram distintamente diferentes do que se conhece de Taekwondo hoje em dia. Diferente do TKD esporte de hoje praticado em esteiras, tatames, pois não havia restrições de onde você pudesse golpear ou não, não havia protetores. As circunstâncias da vida e da morte nos campos de batalhas automaticamente, instintivamente, aguçaram, aprimoraram e afiaram as técnicas. Devido ao imenso rigor dos árduos, exaustivos, constantes treinamentos atingindo assim extraordinário adestramento e fabuloso condicionamento físico, técnico e mental proporcionados justamente pelo Taekwondo é que muitos soldados conseguiram sobreviver, pois somente assim conseguiram agüentar e suportar todas as terríveis agruras da guerra. O livro Guiness de recordes nos anos 70 define o TKD como “O Karatê coreano usado para matar no Vietnã.” Uma das mais belas formas (Hyungs) entre todas as Artes Marciais “Hwa Rang”, criada pelo Gen. Choi Hong Hi simboliza um grupo de elite de jovens guerreiros aristocratas na Dinastia Silla, possui 29 movimentos justamente em referência a lendária 29ª Divisão.

Com o rápido crescimento, reconhecimento e valorização da Oh Do Kwan, o Gen. Choi estava no topo do mundo. Quando ele reformou-se no Exército, o legado do seu TKD militar ainda continuou pelo mundo como resultado das equipes de extraordinários instrutores que ele tinha enviado anteriormente e posteriormente praticamente para todo o mundo. Ele tinha estabelecido os seguidores do real TKD, a arte marcial coreana. Os antigos mestres quando davam baixa do Exército tinha adquirido total domínio da arte ou seja muito mais conhecimento, perícia, habilidade, técnicas muito mais complexas e eficientes em relação a quando tinham entrado no Exército. Muitos optaram em ensinar TKD pelo mundo como discípulos do Gen. Choi sob a bandeira da ITF e outros abriram suas próprias independentes Academias, porém adotando seu estilo de origem, como por exemplo Moo Du Kwan, MAS SEMPRE COM FORTE INFLUÊNCIA DOS DIAS MILITARES. Organizações civis de TKD não afiliadas com o TKD militar eram taxadas de não ser o autêntico, real TKD. A sólida base dos instrutores avançados do Gen. Choi dominaram a cena do TKD internacionalmente e também mestres sem formação militar adotaram o estilo do Gen. Choi.

Texto de autoria do Sr. Alcione Prestes Costa.